Artigos

Filosofia da Criatividade Dinâmica



É notória a formação científica de Leonardo Coimbra, não só pelo iniludível ambiente positivista em que vivia, como também porque a escolástica do Portugal laicista não lhe oferecia quaisquer garantias de poder conservar o reino espiritual, inserido neste mundo.
«Leonardo José Coimbra (Borba de Godim, Lixa, 30 de Dezembro de 1883 — Porto, 2 de Janeiro de 1936) foi um filósofo, professor e político português. Enquanto Ministro da Instrução Pública, de um dos governos da Primeira República Portuguesa, lançou as Universidades Populares e a Faculdade de Letras do Porto. Como pensador fundou o movimento “Renascença Portuguesa”, e evoluiu do criacionismo para um intelectualismo essencialista e idealista, reconhecendo a necessidade de reintegrar o saber das "mais altas disciplinas espirituais", como a metafísica e a religião.» (http://pt.wikipedia.org/wiki/Leonardo_Coimbra)
O segredo do método de Leonardo Coimbra, consistia, portanto, em não se desligar da ciência para alcançar a metafísica, por isso, tal método – Dialético, Construtivo e Pedagógico - para, no confronto entre ambas, “empurrar” esta para uma nova metafísica, devendo caminhar juntas: a ciência e a metafísica. À Filosofia seria reservado o papel de colaborar na imensidão do saber humano.
A estratégia da dialética do pensamento, num plano dinâmico, transformaria o seu método num novo sistema, cuja base piramidal seria composta por noções científicas, em que no cume da mesma, encontrar-se-iam as noções de Liberdade, de Espontaneidade e de Permanente Criação. A este sistema filosófico chamou-lhe de “Criacionismo”.
A compleição impressionista e enternecida de Leonardo Coimbra proporcionava-lhe uma sensibilidade rica e emocional bondade, para poder analisar os grandes problemas da vida humana. Também o seu positivismo permite-lhe abrir-se ao diálogo e ao convívio romântico e apaixonado, confirmando assim o seu próprio “Criacionismo”.
O “Criacionismo” de Leonardo Coimbra reveste-se de várias perspetivas, e desde logo pelo fato de a matéria e o universo deixarem de ser “simples inércias e mortes oferecidas ao homem”.
Tem-se a Verdade viva, a Verdade como permanência de relações. O homem, como princípio ativo, tem de desenvolver uma ação constante e consciente, num mundo a fazer, com uma Filosofia de liberdade dinâmica, contra todo o tipo de estaticismo e imobilismo, com um espírito criador, enfim, numa autêntica pedagogia metodológica, uma explicitação do princípio de liberdade criadora.
O princípio dialético filtrante das experiências humanas, numa conjugação do dinamismo espiritual, com a inércia da matéria, constitui outra faceta do “Criacionismo”. O vivo, o dinâmico, o inteletual, constituem o autenticamente real do “Criacionismo”.
Este devir ininterrupto, corre como a seiva numa árvore, em perfeita ascensão, até alcançar a “Vida Substancial: Deus”. Tudo acontece na origem porque nela está sempre Deus, O qual é para o homem uma ontológica saudade, pelo que o seu “Criacionismo” é de uma ontologia do homem integral, do homem como pessoa, em toda a sua globalidade humana.
No “Criacionismo” de Leonardo Coimbra, existe um mundo, que é o espírito – Pensamento – que dinamiza uma relação familiar entre dois mundos: o mundo físico e o mundo espiritual.
O homem é pela consciência um exilado no universo e, de igual forma, é Deus entendido como o “Grande Solitário Inacessível”. O universo é um sistema de relações em que o homem pode ter confiança, pois tal universo tem um Deus Criador, sendo o lugar do homem o centro da criação, que domina em certa medida pelo pensamento, no entanto, o homem é infeliz, porque é o único ser que conhece a morte, e a entende como a derrota das suas vitórias e vaidades materiais e aparências mundanas.
O “Criacionismo” é, em resumo sintético, uma Filosofia da criatividade dinâmica do homem em liberdade, no respeito, pela construção de um mundo de relações interpessoais, convergente para um “Cume Absolutamente Perfeito e Criador – DEUS -.

Bibliografia

COSTA, Dalila L. Pereira da e GOMES, Pinharanda, (1976). Introdução à Saudade. Porto: Lello & Irmão, Editores.
GAMA, José, (1983). Filosofia e Poesia no Pensamento de Leonardo Coimbra, in: Revista Portuguesa de Filosofia, Tomo XXXIIX-4.1983. Braga: Faculdade de Filosofia.
MORUJÃO, Alexandre Fradique, (1983). O Sentido da Filosofia em Leonardo Coimbra, in: Revista Portuguesa de Filosofia, Tomo XXXIIX-4.1983. Braga: Faculdade de Filosofia.
SPINELLI, Miguel (1981). A Filosofia de Leonardo Coimbra. O Homem e a Vida. Dois Termos da sua Antropologia Filosófica. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia.


Venade/Caminha – Portugal, 2019

Com o protesto da minha perene GRATIDÃO

Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo

Presidente do Núcleo Académico de Letras e Artes de Portugal
http://nalap.org/
http://nalap.org/Directoria.aspx

TÍTULO NOBILIÁRQUICO DE COMENDADOR, condecorado com a “GRANDE CRUZ DA ORDEM INTERNACIONAL DO MÉRITO DO DESCOBRIDOR DO BRASIL, Pedro Álvares Cabral” pela Sociedade Brasileira de Heráldica e Humanística http://www.minhodigital.com/news/titulo-nobiliarquico-de

COMENDADOR das Ciências da Educação, Letras, Cultura e Meio Ambiente Newsmaker – Brasil
http://directoriomundial.allimo.org/Rodrigues-de-B%C3%A1rtolo-Diamantino-Louren%C3%A7o/

TÍTULO HONORÍFICO DE EMBAIXADOR DA PAZ pelos «serviços prestados à Humanidade, na Defesa dos Direitos as Mulheres. Argentina»
http://directoriomundial.allimo.org/Rodrigues-de-B%C3%A1rtolo-Diamantino-Louren%C3%A7o/

DOCTOR HONORIS CAUSA EN LITERATURA” pela Academia Latinoamericana de Literatura Moderna y la Sociedad Académica de Historiadores Latinoamericanos.
https://www.facebook.com/diamantino.bartolo.1/posts/1229599530539123

Blog Pessoal: http://diamantinobartolo.blogspot.com
Facebook: https://www.facebook.com/diamantino.bartolo.1
E-mail: diamantino.bartolo@gmail.com
https://www.facebook.com/ermezindabartolo




 
Associados
Proximos Eventos
Nalap © 2018
EtiServer